Você conhece o Branding Pessoal?

0
350

Após a nossa última matéria, em que estivemos falando sobre Branding, hoje vamos falar sobre Branding Pessoal. Isso mesmo! Se você achava que o Branding se aplicava apenas às empresas, está enganado. Ele pode e deve ser empregado na gestão de marcas pessoais. Muitos profissionais liberais, como médicos independentes, advogados, psicólogos, designers, comerciantes, entre outros, costumam trabalhar por conta própria.

E quando trabalhamos por conta própria, é necessário  anunciarmos nossos serviços, para que outras pessoas saibam nosso ramo de atuação e possamos lucrar. E é exatamente aí que o Branding entra!

No último post, falamos detalhadamente das diferenças entre Branding e Marketing, e elas se aplicam no caso pessoal da mesma maneira. Marketing é o que você fala sobre você e Branding é o que as pessoas falam a seu respeito. Para ter uma marca sólida e de confiança, precisa que o seu público te conheça e esteja familiarizado com ela.  E isto é uma das muitas ferramentas da gestão de marcas pessoais.

O primeiro passo para iniciar seu Branding pessoal é entender quais são os objetivos que você quer alcançar. Trocar de emprego, criar sua empresa, uma promoção, aumento salarial, entre outras opções. Vale ressaltar que Branding não é só a marca no sentido literal, ou seja, para trabalhar a imagem que as pessoas têm de você, não é necessário ter de fato uma logo. Isso vai depender da complexidade do seu objetivo.

Depois de escolher seu objetivo, é necessário entender quem é o público que você deseja alcançar. Por exemplo, digamos que eu sou um supervisor de uma empresa e desejo me tornar um gerente. O público que eu preciso atingir são as pessoas que estão diretamente ligadas ao meu objetivo, ou seja, o alto escalão da empresa.

Depois que o objetivo e o público estiverem definidos, preciso saber qual estratégia adotarei. Continuado com o exemplo, como meu objetivo é convencer o alto escalão da empresa que posso ser um bom gerente, me dedicarei mais, farei cursos, hora extra e usarei todos os recursos para convencer meus superiores que sou capaz e merecedor de ocupar a vaga de gerente.

Viu como adotamos procedimentos básicos do Branding para uma estratégia sem possuir necessariamente uma logo física? Nossa logo neste caso foi a própria pessoa, que vendeu sua imagem através de suas ações.

Os 3 C’s do Branding Pessoal

Os 3 C’s do Branding Pessoal

  1. Coerência: Coerência é um dos princípios básicos quando estamos falando de Branding. Sua marca precisa estar alinhada com o que ela prega e vende.
  2. Clareza: Objetividade é o que torna uma marca poderosa. Menos é mais, uma mensagem clara e coesa pode mudar a perspectiva de como o mercado te enxerga.
  3. Consistência: Uma marca precisa ser forte. Uma carreira pessoal é constituída de altos e baixos. Uma marca bem construída consegue passar por momentos como esses sem perder seu prestígio.

Os 3 E’s do Branding Pessoal

  1. Ética: Compromisso com o público que será atendido é o principal, além de compromisso com a sociedade como um todo.
  2. Educação: Saber aprender com todos os desafios que sua vida profissional pode lhe proporcionar.
  3. Elegância: Evitar se envolver em situações que possam afetar o desempenho de sua marca.

3 Erros que você não pode cometer no seu Branding Pessoal

3 Erros que você não pode cometer no seu Branding Pessoal

1- Prometer e não cumprir

Essa é a premissa básica do Marketing. Todos os compromissos assumidos com o público devem ser honrados, não importa como. A maneira como você realizará a tarefa, pouco importa (desde que não transgrida as leis e nem prejudique alguém), o importante é entregá-la no prazo como prometido.

2- Não Minta

Não minta sobre quaisquer aspectos de sua vida profissional que possam vir a arriscar a imagem e a confiança que você transmite.

3- Evite associações que possam danificar a sua imagem

Nem sempre uma parceria ou um grande contrato podem ser benéficos para sua imagem. Se associar a empresas e pessoas que tenham um discurso diferente e principalmente incoerente com o seu, pode prejudicar muito o desempenho de sua imagem no mercado. Por tanto, antes de tomar suas decisões, balanceie os pontos positivos e negativos que tais atitudes podem acarretar à sua marca.

E você, conhece algo sobre Branding Pessoal que não falamos nesta matéria? Deixe nos comentários. Enviem-nos sugestões e críticas!


Esse post foi escrito pela Interface Comunicação Visual, em parceria com a Megatech Br.

DEIXE UMA RESPOSTA